Curiosidades do Rock

QUAL É A ORIGEM DA “MÃO-CHIFRADA” DO ROCK?

Símbolo universal do Rock’n Roll, a “mão-chifrada” – ou “chifres do rock” para alguns – pode causar calafrios em religiosos, que atribuem o símbolo ao demônio. Mas a história é diferente. Existem as seguintes versões:

1. Beatles, em 1969: No album “Yellow Submarine”, de 1969, John Lennon aparece fazendo o sinal acima da cabeça de Paul McCartney. Diferente da “mão-chifrada do Rock”, aqui está mais para o caso da famosa brincadeira de fazer chifrinhos na cabeça do amigo. Coisas de escola primária.

2.  Kiss, em 1977: Existe ainda quem acredite que o sinal nasceu da mão de Gene Simmons no album Love Gun (1977) da banda Kiss. No entanto, o sinal significa “amor” na linguagem dos sinais.

 

São coincidências interessantes. Na realidade, a “mão-chifrada” do Rock é uma versão do gesto chamado “malocchio”, que Ronnie James Dio, cantor do Black Sabbath em 1979, aprendeu com a avó. O sinal, que significa “afastar mau-olhado” acabou conqusitando os fãs da banda e se alastrou – como você já bem sabe – como sinal universal do Rock’n Roll. Yeah! \../.

Def Leppard
Rick Allen, o baterista da banda, perdeu o braço em um acidente de carro nos anos 80. Mas isso não o fez desistir de tocar. A banda continuou com a mesma formação, e Rick aprendeu a comandar a bateria usando os pés, uma das mãos e algumas batidas programadas.

 Titãs
Sérgio Britto, Arnaldo Antunes, Paulo Miklos, Marcelo Fromer, Nando Reis, Ciro Pessoa e Tony Bellotto se apresentaram juntos pela primeira vez no evento A Idade da Pedra Jovem, promovido em 1981 pelo colégio Equipe. Todos eles estudavam no local. Nessa época, a banda se chamava Titãs do Iê-Iê.

 Capital Inicial
A banda adotou este nome porque não tinha dinheiro para dar início à sua carreira. A canção “Música Urbana”, sucesso da banda, só tinha uma estrofe. Dinho Ouro Preto ligou para Renato Russo, da Legião Urbana, e pediu a segunda estrofe. Ele fez a letra na hora, ditando para que Dinho escrevesse.

Raul Seixas

O primeiro registro fonográfico de Raul Seixas trata-se de um 78RPM gravado em 1964 com as faixas "Nanny" e "Coração Partido", esta última uma versão de “Musiden”, interpretada por Elvis Presley no filme “Saudades de um Pracinha”. Embora este compacto nunca tenha sido lançado, há uma gravação em poder do Raul Rock Club/Raul Seixas Oficial Fã-Clube.